Crise no PMDB: PMDB Nacional pune deputados que votaram contra Temer, entre eles Jarbas Vasconcelos.

2 min read
As retaliações já eram esperadas, o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR) enviou...
As retaliações já eram esperadas, o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR) enviou ao deputado Jarbas Vasconcelos e outros parlamentares do PMDB, a decisão da executiva do partido de puni-los com a suspensão das atividades partidárias por um prazo de 60 dias, em razão de terem contrariado a orientação da liderança peemedebista na Câmara, pelo voto contra o pedido de investigação do presidente Michel Temer feito pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Ao lado, o documento assinado por Jucá.

Tão logo foi informado da decisão do PMDB, Jarbas enviou a seguinte nota ao blog do Magno: “No meu entendimento essa punição oficializada hoje pelo partido é algo esdrúxulo e completamente sem sentido. Só reforça minha avaliação de como  é fraca e despreparada a direção nacional do PMDB hoje. Fui um dos fundadores do MDB, que posteriormente deu origem ao PMDB, e ao longo de toda a minha trajetória dentro do partido nunca vi algo parecido. O respeito às ideias e posicionamentos  é algo fundamental, e o caminho pelo qual está seguindo hoje o PMDB nacional ignora completamente essa condição, que é primordial para todos que exercem a política e principalmente para quem está a frente de qualquer partido numa democracia”.

O presidente estadual do PMDB, Raul Henry, emitiu uma nota, ontem, bombardeado a direção nacional do partido pela punição a Jarbas pelo fato de ter contrariado o partido na votação do pedido de investigação do presidente Temer. “O deputado Jarbas Vasconcelos é uma reserva moral do PMDB e da vida pública do Brasil. Foi fundador do partido e sempre honrou suas melhores tradições. Ao votar pela autorização da investigação proposta pela Procuradoria Geral da República, o fez sem expressar qualquer pré-julgamento. Votou em sintonia com a sua consciência, com a sua história e com o sentimento da maioria da sociedade brasileira”, diz o texto.

Deixe uma resposta