Concessão de água e esgoto e aumento nos assassinatos em Pernambuco são alguns dos assuntos que movimentou o Sertão.

Assassinatos crescem em Pernambuco

O número de assassinatos em Pernambuco cresceu 58% nos últimos três anos, saindo de um total de 3.434 homicídios, em 2014, para 5.427 em 2017. Os dados foram divulgados, ontem, pela Secretaria de Defesa Social (SDS). Durante esse período do Governo Paulo Câmara, 13.795 pernambucanos foram assassinados.

As tentativas do governador em melhorar a segurança pública do Estado não estão dando resultado. O Governo tem se mostrado incapaz de reduzir esses índices de violência.

Infelizmente, o problema vai muito além dos homicídios. De acordo com o mapa detalhado pela SDS, o número de crimes violentos cresceu consideravelmente no Estado. Foram registrados 119,7 mil roubos e assaltos, 2.134 casos de estupro e 33.188 casos de violência doméstica contra a mulher.

De acordo com a Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco, a crescente violência é reflexo, entre outros aspectos, do elevado déficit de homens nas Polícias Civil e Militar, baixo investimento em inteligência e em prevenção, além da falta de integração com os municípios e com o Governo Federal no combate à criminalidade.

Falta de transparência, de diálogo e de planejamento são algumas das críticas feitas por especialistas em segurança, como o sociólogo José Luiz Ratton, um dos idealizadores do Pacto pela Vida.

Os deputados oposicionistas informaram que, ao longo do último ano, apresentaram uma série de sugestões para o Governo no sentido de ajudar a combater à criminalidade. No entanto, até hoje, obtiveram apenas o silêncio como resposta.

Petrolina inicia ação para concessão de água e esgoto

Diante das dificuldades apresentadas pela Compesa para gerenciar as redes de esgoto e abastecimento, a Prefeitura de Petrolina decidiu iniciar os procedimentos para uma nova concessão desses serviços. A primeira ação foi publicar um edital, na semana passada, para instituições públicas ou privadas do setor realizarem estudos técnicos na capital do Sertão sobre esgotamento e fornecimento de água. As interessadas devem se cadastrar neste mês para apresentar, até maio, as propostas que melhorem o abastecimento e o saneamento de Petrolina.

Os estudos técnicos de viabilidade são apenas a primeira etapa de um processo que resultará em uma nova forma de gerenciar a água e o esgoto da cidade. Após receber as propostas, a Prefeitura irá definir um plano municipal de saneamento e abastecimento para Petrolina. “O petrolinense é exigente, não tolera serviço de baixa qualidade. Eu sempre disse que não me omitiria de enfrentar essa questão, seja cobrando resultados, buscando investimentos em Brasília como fizemos ou optando pela decisão de buscar um novo caminho. Queremos apenas garantir o serviço de qualidade, por isso, a nova concessionária terá de fazer o saneamento em bairros que vivem com o esgoto na porta e expandir o abastecimento”, explica o prefeito Miguel Coelho.

Depois de definir o plano municipal para água e esgoto, a Prefeitura de Petrolina abrirá uma concorrência pública para a concessão desses serviços. A expectativa é de que em agosto o edital seja publicado com todas as exigências e metas para as empresas interessadas.

Segundo Miguel Coelho, a Compesa continuará autorizada a operar as redes de água e esgoto enquanto todos os trâmites para o novo serviço não forem concluídos. “Desde o começo do ano, tentamos uma solução pelo diálogo. Reuni-me diversas vezes com os diretores da Compesa. Reconhecemos que no começo houve melhoria, mas depois a situação voltou a ser de insatisfação de toda a população. É inadmissível que a cidade fique sem água por semanas, como ocorreu recentemente, ou sem as obras de saneamento que tiveram ordem de serviço assinada em junho. Por isso, decidimos por abrir um novo processo licitatório”, justifica o prefeito.

Responsável por acompanhar todas as fases de implantação da nova concessionária, o presidente da Comissão de Parcerias Público-Privadas, Emício Junior, acredita que em novembro será iniciada a nova gestão de água e esgoto em Petrolina. “Temos um calendário de etapas a serem cumpridas. Pode parecer um tempo longo para a população que vem sofrendo com o serviço de baixa qualidade, mas é preciso ter responsabilidade e muito planejamento para esse processo de transição e mudança. Petrolina é uma cidade muito complexa, com mais de 300 mil moradores, então, não é simples fazer tudo isso. O mais importante é que estamos buscando enfrentar um problema grave que se arrasta há anos”.

Compesa reage a ato de prefeito.

A Compesa demonstrou surpresa com a decisão do Prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, em anunciar a privatização dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município, com quem a Companhia tem um Contrato de Concessão firmado em 2007 e que tem vigência até 2037. A informação, divulgada hoje pela Prefeitura, vem em sentido contrário às tratativas iniciadas com o Prefeito Miguel Coelho, desde que assumiu o mandato à frente da gestão municipal.

Desde o início do ano, o diálogo entre a Prefeitura e a Compesa estava transcorrendo de forma satisfatória, trazendo benefícios para a população de Petrolina. “Ficamos surpresos com a proposta de privatização em Petrolina. A Compesa apoiou a operação de combate a ligações irregulares na rede de esgotos, atuou em parceira na limpeza da Orla, iniciou obras importantes de abastecimento de água como está realizando no Serrote do Urubu e obras de esgotamento sanitário como está fazendo nos bairros do Vale do Grande Rio, Pedro Raimundo e Jardim Amazonas. Além disso, estamos prontos para iniciar o Esgotamento Sanitário do Park Jatobá, num investimento de R$ 4,6 milhões que depende apenas de chegarem os recursos da Codevasf. Por fim, trabalhamos duro nos meses de novembro e dezembro para vencer a burocracia e conseguimos assinar contrato de empréstimo de R$ 38 milhões para investir em Petrolina”, pontuou o Presidente da Compesa, Roberto Tavares.

De fato, no último dia útil do ano o presidente da Compesa foi a Brasília assinar o Contrato de financiamento de R$ 38 milhões para investimentos em Petrolina, pleito que o Prefeito Miguel Coelho havia feito desde o início das negociações. As áreas que serão beneficiadas são as mais reclamadas em Petrolina, justamente por terem obras que foram iniciadas pela própria Prefeitura em diversas gestões anteriores e nunca foram concluídas nos bairros de Antônio Cassimiro, Dom Avelar, Terras do Sul, Santa Luzia, São Jorge, São Joaquim, Padre Cícero, Vila Débora e Mandacaru, deixando de beneficiar mais de 60 mil moradores.

Independente do posicionamento político do prefeito, o presidente da Compesa reafirma que a linha do Governador sempre foi, em respeito à população, não misturar contingências políticas e gestão. “Tenho a orientação do Governador Paulo Câmara para seguir planejando, idealizando e realizando investimentos em prol dos petrolinenses, e para isso contamos um Plano de Investimentos bastante arrojado para os próximos anos”.

Nos últimos anos, a Compesa investiu mais de R$ 150 milhões no município com destaque para construção do Sistema Vitória, de abastecimento de água, e a construção de um moderno sistema de esgotamento sanitário, o que garante ao município uma situação privilegiada quando comparada com outros municípios do Estado e que precisa continuar avançando.

Textos: Blog do Magno.

Everaldo

Licenciado em Física pelo Instituto Federal do Sertão Pernambucano. Professor de matemática e física do Ensino fundamental e médio da rede estadual de Pernambuco. Jornalista registrado sob o número 6829/PE, o blogueiro Everaldo é casado com Amanda Scarpitta e tem como foco: informação com responsabilidade e coerência.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta