Comunitário Júlio César emite nota sobre a qualidade da pavimentação de Izacolandia.


Após matéria publicada sobre a má qualidade do asfalto usado na pavimentação das três ruas no povoado de Izacolandia, o comunitário Júlio César emitiu uma nota sobre o ocorrido, veja abaixa na íntegra.

Em resposta a Matéria vinculada, vale ressaltar que não se trata de obra mal feita ou asfalto sorrisal, o fato em destaque trata-se de uma demonstração raivosa e perseguição política por paixão recrutada, incrustada, de tal modo a desqualificar qualquer que seja a ação oriunda do governo novo tempo. Uma vez uma ocasionalidade de um insidente de cano estourado em ponto específico, não se trata de obra defeituosa, mas um acaso ocorrido provocado por água de cano estourado, que inclusive é da Compesa, no entanto a matéria deveria reconhecer de fato o conteúdo da erosão provocado por consequência da vazão e pressão a que mostra a água do vídeo sobre o asfalto, neste compêndio uma dilacerada tentativa de punir a gestão que nada tem haver com o incidente ocasionado pelo estouro do cano da Compesa. Vale ainda salientar que desde os inícios das engenharias no mundo todo, que a água é inimiga do asfalto, apenas água superficial é quem deve correr sobre a superfície do asfalto até chegar nas sargentas e linhas de águas, neste caso a ABNT já normatiza regras e forma exequível de implantar asfalto com o coidado de escoar água natural das chuvas. Neste caso uma água que vem do subsolo não tem nada haver com o propósito que ligam a obra. Uma tentativa desenfreada de desqualificar a gestão e todos os trabalhos aqui executado. Sejamos os verdadeiros receptores de uma democracia verdadeira.

Everaldo

Licenciado em Física pelo Instituto Federal do Sertão Pernambucano. Professor de matemática e física do Ensino fundamental e médio da rede estadual de Pernambuco. Jornalista registrado sob o número 6829/PE, o blogueiro Everaldo é casado com Amanda Scarpitta e tem como foco: informação com responsabilidade e coerência.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta