Mensalão disfarçado: Dinheiro da Codevasf alimentou empresa de irmão de Fernando Bezerra Coelho

Fernando Bezerra Coelho e Jair Bolsonaro conversam

Da Crusoé — Embora já tivesse uma longa carreira como deputado, Jair Bolsonaro elegeu-se presidente prometendo combater os velhos hábitos da política. O discurso não durou muito. Tão logo assumiu o Palácio do Planalto, ele começou a se render ao que há de pior em Brasília.

Aos primeiros sinais de que era preciso compor com uma parcela do Congresso Nacional, ele piscou e logo fechou uma aliança com o fisiológico Centrão. Desde então, começou a pagar o preço para ter uma base parlamentar capaz de lhe dar sustentação mínima na Câmara e no Senado.

No ano passado, quando estava em vias de sacramentar a aliança, veio a abertura dos cofres. E não apenas pelas vias tradicionais. Para dissimular a distribuição de dinheiro público para os aliados mais fiéis, o governo criou um duto diferente: uma espécie de orçamento paralelo em que bilhões de reais são destinados a alguns ministérios e gastos, por debaixo dos panos, de acordo com o interesse de parlamentares escolhidos a dedo pelo Planalto.

A lógica é a mesma dos escândalos que emergiram nos governos anteriores: usar dinheiro público para garantir o apoio de congressistas.

Edição da revista Crusoé foi antecipada por conta da matéria.

Era assim no mensalão, o esquema descoberto no primeiro mandato de Lula, e era assim no petrolão, em que contratos gigantescos da Petrobras se convertiam em propinas para políticos aliados do governo.

A diferença é que, agora, sob Bolsonaro, a coisa se dá com recursos do orçamento, usando de subterfúgios para maquiar a distribuição.

A partir do instante em que o Planalto se viu na necessidade de construir uma base no Congresso – e foi então apresentado à fatura que seria preciso pagar –, coube à Secretaria de Governo, então comandada pelo general Luiz Eduardo Ramos, hoje chefe da Casa Civil, a tarefa de organizar a partilha.

A ideia foi gestada a partir de uma parceria do palácio com o Congresso. Para o modelo dar certo, foi preciso criar a figura das “emendas de relator”, em que um pedaço dos gastos anuais do governo tem necessariamente que ser aplicado de acordo com a indicação do parlamentar escolhido para ser o relator do orçamento federal, normalmente um aliado do governo. Só no passado, esse naco foi de 20 bilhões de reais.

Suamy Beydoun/Agif/Folhapress
Coube ao general Luiz Eduardo Ramos organizar a “partilha”

Estava pavimentado, assim, o caminho para que as verbas fossem distribuídas de acordo com a conveniência do próprio governo e seus aliados preferenciais no parlamento.

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, só o Ministério do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho, recebeu 3 bilhões de reais. A dinheirama passou a ser gasta pela pasta de acordo com uma planilha elaborada pelo Planalto na qual deputados e senadores foram agraciados, na medida de sua importância e de sua lealdade ao governo, com valores que eles próprios podiam dizer onde deveriam ser alocados.

Uma vez listados como “beneficiários”, bastava que eles enviassem ao ministério uma comunicação apontando onde queriam que o dinheiro fosse parar. A partilha teve seu auge no processo que elegeu Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, ambos candidatos apoiados pelo Planalto, para as presidências das duas casas do Congresso. “É um mensalão disfarçado de emendas parlamentares. Compra explícita de apoio político”, diz Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas, que monitora os gastos públicos.

Gil Castelo Branco: “É um novo mensalão”.

Sabia-se, até agora, que uma parte das indicações dos parlamentares foi destinada, por exemplo, à compra de tratores com preços superfaturados em mais de 200%. Faltava ainda apontar quem se beneficiou do dinheiro, lá na ponta.

A partir das planilhas e dos ofícios enviados ao ministério, Crusoé seguiu o caminho de uma parte da verba para saber exatamente onde ela foi parar.

O resultado confirma a lógica: depois de ser transferida para a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), uma companhia estatal dominada pelo Centrão que foi anabolizada justamente na onda do orçamento paralelo, parte dos recursos teve como destino empresas que pertencem ou estão intimamente ligadas a políticos, além de ter irrigado o caixa de prefeituras comandadas por cabos eleitorais dos deputados e senadores.

Como o leitor verá a seguir, recursos enviados para a base eleitoral do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, por exemplo, foram parar em empresas de um irmão dele e de um amigo íntimo da família. Outra parte da fortuna federal distribuída a aliados teve como destino a concessionária de um prefeito amigo do presidente Jair Bolsonaro – os recursos que chegaram à empresa haviam sido destinados por correligionários do prefeito.

No interior de Goiás, uma cidade minúscula agraciada por um senador do Acre (sim, do Acre!) com 20 milhões de reais – dos quais 14 milhões já constam como pagos – desconhece a chegada do dinheiro. Em outra frente, milhões de reais foram repassados pela Codevasf, sob a assinatura de um conhecido operador do Progressistas, a uma consultoria cujo dono aparece metido nos desvios de dinheiro do governo de Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro.

Lista divulgada pelo Estado de S. Paulo traz os beneficiários do “Bolsolão”.

O quintal dos Bezerra

Dos 3 bilhões do orçamento paralelo que foram para o Ministério do Desenvolvimento Regional, 459 milhões tiveram a Codevasf como destino. E, desse valor, nada menos que 125 milhões seguiram para o caixa da companhia por indicação do senador Fernando Bezerra Coelho, do MDB, aliado de primeiríssima hora do presidente Jair Bolsonaro, a ponto de ter sido escolhido por ele como líder do governo no Senado apesar de responder a várias investigações federais por suspeita de desvio de verba.

Fernando Bezerra, que também já foi ministro de Dilma Rousseff, tem a Codevasf como um de seus principais feudos. A superintendência da companhia em Petrolina, cidade pernambucana dominada politicamente há décadas pela família do senador, tem no comando um ex-assessor dele, Aurivalter Cordeiro. Foi justamente para lá que Fernando Bezerra destinou uma parcela da verba com a qual foi “contemplado” pelo Palácio do Planalto.

Reprodução
10 milhões de reais foram usados para comprar máquinas na concessionária HGV Veículos

Como o mundo é pequeno, o dinheiro foi parar no círculo íntimo do senador. Do ano passado para cá, pelo menos 10 milhões de reais foram usados para comprar máquinas e caminhões em uma concessionária local chamada HGV Veículos.

O dono da empresa, Hugo Bezerra Gurgel Neto, é amigo do peito de um dos filhos do senador, o deputado estadual Antônio Coelho. Desde novembro, 19 contratos já foram fechados pela Codevasf com a HGV.

Procurado, o empresário admitiu a existência dos negócios com a companhia, mas ao ser indagado sobre como conseguiu os contratos desligou o telefone e não atendeu mais. Há “relações comerciais” com mais gente próxima da família do líder do governo.

Sem licitação, a companhia comprou por 205 mil reais uma van da empresa Mavel Máquinas e Veículos, que tem como sócio Caio Bezerra de Souza Coelho, irmão do senador. Os dados registrados nos sistemas da Codevasf, aos quais a reportagem teve acesso, mostram que o veículo foi pago com recursos destinados pelo próprio Fernando Bezerra Coelho.

Outra pessoa próxima da família que tem conseguido fechar contratos com a Codevasf é Marco Antonio Coelho Carvalho, procurador da prefeitura de Juazeiro, cidade vizinha a Petrolina que também é historicamente dominada pelo clã.

A Tratormaster Tratores, Máquinas, Peças e Serviços, da qual Marco Antonio é sócio, recebeu 1,5 milhão vendendo retroescavadeiras para a Codevasf, também sem licitação.

Há, ainda, outra empresa ligada à família do líder do governo que recebeu uma pequena fortuna a partir dos recursos do orçamento paralelo – nesse caso, não pela venda de máquinas, mas por serviços de pavimentação. A Liga Engenharia, cujo dono é cunhado de um sobrinho do senador, recebeu pelo menos 28 milhões nos últimos seis meses da Codevasf e do DNOCS, o Departamento Nacional de Obras contra a Seca, que igualmente levou um pedaço importante da bolada.

Deputado Antônio Coelho (DEM), filho de FBC, é amigo do empresário que ganhou milhões

O ‘amigo’ do presidente

O multimilionário Vittorio Medioli, prefeito da cidade mineira de Betim pelo PSD, fez questão de ir a Brasília cumprimentar o “amigo” Jair Bolsonaro logo depois de sua eleição, em 2018. “Encontros como esse são importantes para contribuir para o crescimento do Brasil e de Betim”, escreveu Medioli nas redes sociais, debaixo de uma foto descontraída ao lado de Bolsonaro.

Desde a liberação dos recursos do orçamento paralelo, a Deva Veículos, uma das várias empresas de propriedade do prefeito, tem fechado seguidos contratos com a Codevasf que já somam 64 milhões de reais.

O mecanismo funciona de maneira semelhante aos casos de Fernando Bezerra: parlamentares aliados do governo mandam o dinheiro para a companhia e definem o bem ou serviço que deve ser pago com ele.

Somente o senador Carlos Viana, do PSD, mesmo partido de Vittorio Medioli, destinou 32 milhões de reais ao braço mineiro da Codevasf a partir do orçamento paralelo. Uma parte desse valor já se transformou em compras na empresa do prefeito.

Em 12 de março deste ano, a Codevasf adquiriu 32 caminhões coletores de lixo junto à Deva. Cada unidade saiu por 294,5 mil reais (ao todo, foram gastos 9,4 milhões). Há indícios de que o valor pago está acima do preço normal — em dezembro do ano passado, a mesma Deva vendeu um caminhão semelhante, e com potência até maior, por 30 mil reais a menos.

O presidente Jair Bolsonaro e o multimilionário prefeito de Betim, Vittorio Medioli

Há mais negócios envolvendo a família Medioli. Dois sobrinhos do prefeito de Betim aparecem como donos da LLM Locação de Veículos, que recebeu 633,5 mil da Codevasf.

A firma faz parte do conglomerado do qual o prefeito é proprietário. O dinheiro repassado à LLM saiu de dois repasses feitos à companhia a pedido do senador goiano Vanderlan Cardoso, que também é do PSD.

Procurada, a prefeitura de Betim afirmou, curiosamente, que não pode responder por assuntos privados de Medioli. Já a Deva Veículos e a LLM Locação de Veículos disseram que todas as transações com a Codevasf se deram “dentro das normas da legislação vigente”.

Em resposta conjunta, as empresas disseram que não tinham conhecimento da origem dos recursos e que tiveram “margem de lucro inferior a 5%”.A reportagemindagou se Medioli tratou pessoalmente dos contratos com a Codevasf e se em algum momento ele conversou sobre o assunto com o “amigo” Bolsonaro, mas não houve resposta para essas perguntas. Ao todo, a Deva venceu cinco concorrências para a venda de 245 caminhões e tratores para Codevasf. Até agora, segundo a própria empresa, 15 foram entregues.

“Empresa de amigo de FBC também recebeu parte do dinheiro”, diz a Crusoé. | Foto: Sérgio Lima

O operador de Ciro e as ‘consultorias’

Davidson Tolentino é um conhecido operador do Progressistas, novo nome do antigo PP, o partido que é esteio do Centrão. Sempre que a legenda consegue do presidente de turno aval para aboletar seus homens em ministérios ou estatais, Tolentino está de prontidão, não importa a área.

Já ocupou posições importantes em órgãos tão díspares quanto a CBTU, a estatal federal de trens urbanos, e o Ministério da Saúde, quando a pasta era comandada por Ricardo Barros, no governo de Michel Temer.

Quase sempre, é colocado bem próximo dos departamentos que envolvem contratos e verbas. Tolentino é homem de Ciro Nogueira, o presidente do partido, e seu nome já esteve muitas vezes atrelado a suspeitas de cobrança de propina.

No Ministério da Saúde, como publicou Crusoé ainda em 2018, ele foi apontado como o responsável por procurar, em nome do PP, empresários que tinham faturas a receber na pasta. Segundo Tolentino, se quisessem receber, os empresários teriam de fazer um “alinhamento financeiro” com o partido. Uma clara figura de linguagem para não ter que pronunciar a palavra “propina”.

Reprodução
O senador Ciro Nogueira (PP-PI) em evento com Davidson Tolentino

Pouco antes, o mesmo Davidson Tolentino havia aparecido como personagem central de um depoimento prestado à Operação Lava Jato por um ex-assessor de Ciro Nogueira. À Polícia Federal, o ex-assessor contou que ele e Tolentino eram responsáveis por recolher e armazenar em um apartamento no Itaim Bibi, em São Paulo, volumes de dinheiro em espécie cujo destinatário era o senador.

Ele afirmou que, a certa altura, chegou a haver no bunker uma quantia estimada em 5 milhões de reais. Após tamanha exposição, Tolentino submergiu. Voltou à cena em julho do ano passado, quando foi nomeado para o pomposo cargo de diretor de revitalização da Codevasf, que virou um tamborete para distribuir verbas federais a aliados do governo.

Na mesma toada da “revitalização” da companhia, o operador de Ciro e do Centrão passou a assinar polpudos contratos com dinheiro proveniente do orçamento paralelo, muitos deles de consultoria – só para esse tipo de serviço, a Codevasf tem hoje contratos ativos da ordem de 40 milhões de reais. Um desses contratos foi assinado por Tolentino em 28 de janeiro deste ano com a Agrar Consultoria e Estudos Técnicos. O valor: 11 milhões de reais.

A Agrar tem como sócio Pedro Luiz Aleixo Lustosa de Andrade, denunciado pelo Ministério Público Federal por participar do esquema de desvio de dinheiro público no governo de Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro.

Segundo os procuradores, Pedro Lustosa integrava uma organização criminosa que fraudou licitações e formou cartel na reforma do Maracanã e no PAC das favelas – à época, ele era executivo da Metrópolis Projetos Urbanos.

A reportagem, o consultor negou haver qualquer irregularidade no contrato fechado com a Codevasf e disse ter “zero relação política” com Ciro Nogueira e com Davidson Tolentino. “Quem está cuidando desse contrato é meu sócio. Eu não sou a pessoa mais adequada para responder”, afirmou. O contrato é destinado à prestação de consultoria ambiental para empreendimentos da Codevasf.

A Codevasf tem como finalidade fomentar o progresso das regiões ribeirinhas dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

Cadê o dinheiro?

Gameleira de Goiás é uma típica cidadezinha de interior. Com 3,8 mil habitantes, está localizada a pouco mais de 200 quilômetros de Brasília, mas parece perdida no tempo e no espaço.

A pequena sede do município se esparrama ao longo de uma única avenida, ao redor da qual se concentram pequenas casas térreas e o modesto comércio local. A cidade tem uma única escola. Em 8 de dezembro do ano passado, Gameleira foi indicada como destino de nada menos que 20 milhões de reais. Dinheiro do orçamento paralelo do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Curiosamente, quem fez a indicação foi Márcio Bittar, um senador do MDB do Acre que, à primeira vista, não tem relação nenhuma com o município. Bittar é da cozinha do Planalto e goza de ótima relação com o presidente da República.

No Congresso, ele tem ocupado postos-chave. Foi relator da chamada PEC emergencial e, mais recentemente, da proposta orçamentária para este ano – o que significa que, em 2021, será ele o responsável por coordenar o destino das gordas “emendas de relator”, estimadas em 18 bilhões de reais.

Adriano Machado/Crusoé
Gameleira de Goiás tem menos de 4 mil habitantes | Foto: Adriano Machado

Dos recursos remetidos a Gameleira de Goiás que aparece na planilha secreta do Planalto, equivalente a 13 vezes a arrecadação anual de impostos do município, mais da metade já consta no sistema oficial do governo federal como paga. Só que, na prática, não há qualquer sinal de benfeitoria na cidade com esses recursos. Nesta semana, foi até Gameleira à procura de uma resposta para o mistério.

No papel, embora seja suficiente para reformar a cidade inteira, o dinheiro deveria ser gasto com asfaltamento e recapeamento de ruas. Só que, até hoje, não há qualquer obra na cidade. No departamento de licitações da prefeitura, um dos dois funcionários que davam expediente na tarde de quarta-feira, 13, disse nunca nem ter ouvido falar do repasse. “São 20 milhões? É dinheiro que não acaba mais. Daria para revolucionar (a cidade), surpreendeu-se.

Os moradores dizem nem lembrar da última vez que foi feita uma obra em Gameleira. O prefeito, Wilson Tavares, do Democratas, disse não conhecer o senador Márcio Bittar, mas demonstrou estar ciente da transferência de recursos.

“A gente não fica sabendo. Como é uma emenda extra-orçamentária, eu não sei quem colocou pra mim”, disse. À diferença do que mostram os sistemas oficiais, o prefeito afirma que não recebeu até hoje nenhum repasse.

Indagado se 20 milhões de reais não seria um valor alto demais para gastar com asfaltamento e recapeamento de ruas da minúscula cidade, o prefeito se apressou em dizer que tem mais planos para a cifra. “Eu preciso fazer calçada, reformar praças, preciso fazer um estádio, ponte”, afirmou. tentou falar com o senador Márcio Bittar. Ele até respondeu a uma primeira mensagem, mas depois de perguntar e ser informado sobre qual era o assunto , sumiu.

Fonte: Crusoé

Everaldo

Licenciado em Física pelo Instituto Federal do Sertão Pernambucano. Professor de matemática e física do Ensino fundamental e médio da rede estadual de Pernambuco. Jornalista registrado sob o número 6829/PE, o blogueiro Everaldo é casado com Amanda Scarpitta e pai de duas filhas lindas, Kassiane e Kauane. O foco principal do blog é informação com responsabilidade e coerência, doa a quem doer!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta