Fernando Filho alfineta Lucas Ramos: “Tem muita gente que nunca deu uma palavra em defesa da CHESF e agora se coloca como grande defensor

O Ministro de Minas e Energia Fernando Filho, participou por telefone do programa Nossa Voz. Ele é um dos principais defensores do setor elétrico, ele disse que apesar de esperar conseguir a aprovação do projeto que autoriza o processo de desestatização da Eletrobras, possivelmente não será possível até Fernando Filho deixar o Ministério, mas há a meta de executar o plano até o primeiro semestre.

Depois de ter a Medida Provisória que permitiria o início dos estudos de desestatização barradas na justiça, o governo enviou um Projeto de Lei em janeiro. Agora o próximo passo é a instalação de uma comissão especial para tratar da PL. Essa comissão deve ser presidida pelo deputado federal Hugo Motta (PMDB/PB).

O relator do projeto Deputado José Carlos Aleluia (DEM/BA), já deu declarações que quer votar esse assunto na Câmara na primeira quinzena de abril, e segundo o Ministro a expectativa é que até inicio de maio possa ser votado também no senado.

Na Câmara dos Deputados já existem quatro frentes de parlamentares contrárias a privatização da Eletrobras, incluindo uma defesa da CHESF, inclusive na região o Deputado Lucas Ramos vem batendo forte contra a proposta, questionado sobre como Fernando Filho tem recebido as críticas e quais garantias dadas por ele acerca de investimentos no Estado com a privatização, caso ocorra.

“Primeiro que eu respeito a opinião contrária dos que não concordam, eu só quero alertar a população que tem muita gente que nunca deu uma palavra em defesa da CHESF e agora se coloca como grande defensor. Depois sobre o grande investimento no Estado era bom que se apontasse quais foram feitos pela CHESF em Pernambuco, que a gente teve muito pouco investimento. Só nos últimos cinco anos a CHESF investiu no Rio São Francisco R$ 100 milhões de reais, nós estamos propondo que fruto do programa de capitalização da empresa possa se ter uma obrigação de investimento de pelo menos R$ 500 milhões por ano, para revitalizar o rio. Então eu tenho convicção de como é hoje na Itália, França, Portugal que as empresas que um dia foram estatais, são grandes incorporações com participação da união que é o que estamos propondo, porém com a gestão privada não dá para você aceitar ter pessoas recebendo mais de 60, 70 mil reais sem saber direito o que elas fazem”, explicou.

Fernando Filho disse acreditar que assim como foi no passado onde todos criticavam a privatização da Telebras, e hoje aumentou a facilidade de uso da telefonia, ele disse não ter a menor dúvida que os ganhos que o Brasil vai ter com a privatização da Eletrobras serão muito importantes para o país. (Grande Rio FM)

Everaldo

Licenciado em Física pelo Instituto Federal do Sertão Pernambucano. Professor de matemática e física do Ensino fundamental e médio da rede estadual de Pernambuco. Jornalista registrado sob o número 6829/PE, o blogueiro Everaldo é casado com Amanda Scarpitta e pai de duas filhas lindas, Kassiane e Kauane. O foco principal do blog é informação com responsabilidade e coerência, doa a quem doer!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta