Coronavírus: Amanhã, o que será o amanhã?

Fala-se no pico da moléstia para os próximos 15 dias e um cenário de horror em meados de maio atropelando junho. Até lá, tudo é imprevisível. Desde a semana passada, por exemplo, a sociedade está proibida de ir aos shoppings, aos restaurantes e até às feiras para estocar comida em casa.

Amanhã, o que será o amanhã? Cidades desertas, um emaranhado de gente olhando para a vida lá fora da janela do quarto ou da varanda. Famílias inteiras em prisão domiciliar, com medo do contágio com doentes portadores do corona. Crianças, sem entender o que se passa nas ruas, berrando por liberdade, por parques verdes, por passeios ou o simples contato com outras crianças, também proibido.

O corona já riscou do calendário eventos esportivos. As pessoas fogem do vírus como o diabo da cruz, alguns são vistos apenas online pelas redes sociais. Tempos difíceis para um mundo globalizado, em que a comunicação flui na palma da mão pelo celular. Não há mais abraços, apertos de mãos, troca de afetos e carinhos. O temor da sociedade: o da morte.

Não há o menor sinal da sequência do calendário letivo, o mesmo foi esbarrado de início por 15 dias. Como ficam os 200 dias letivos? Como fica a sobrevivência das pessoas com o fechamento de cidades inteiras? Feiras, comércio, o barzinho e o restaurante da frente não funcionam mais. Até quando essa pandemia vai mudar a rotina da população brasileira? Bom! Não sabemos. Uma incerteza em nossos corações nos causa espantos e só nos resta uma coisa, confiar em Deus. 

Mas aqui na terra tem uma turma que está assumindo a linha de frente, correndo perigo de morte, tentando salvar vidas, deixando de ficar em casa como manda as autoridades para alertar a todos que fiquem em casa. Essa turma é do profissional da saúde, eles merecem todo o nosso respeito.

Hoje é domingo e teremos mais uma semana inteira que deve ser com cara de domingo. Ruas desertas, pessoas assustadas e forçadamente isoladas. Assim eu pergunto para você caro internauta: o que será do amanhã?

O artigo do Blog do Everaldo é um adaptação do texto do blog de Magno Martins.

Everaldo

Licenciado em Física pelo Instituto Federal do Sertão Pernambucano. Professor de matemática e física do Ensino fundamental e médio da rede estadual de Pernambuco. Jornalista registrado sob o número 6829/PE, o blogueiro Everaldo é casado com Amanda Scarpitta e tem como foco: informação com responsabilidade e coerência.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta